25 de set de 2012

Selvagens


Conto: Luiz Bras
Ilustração: André Ducci



Somos jovens. Somos voluntários.
Estamos numa sala branca com uma cama no centro.
Estamos nus, deitados na cama branca da sala branca.
O chefe da equipe de engenheiros pede que eu beije minha namorada.
Eu sinto minha língua tocando a dela. Então começo a sentir minha língua tocando minha própria língua. É engraçado.
O chefe da equipe de engenheiros pede que façamos sexo.
Eu começo abraçando minha namorada. É como se eu abraçasse outra pessoa e ao mesmo tempo me abraçasse. É como se eu penetrasse outra pessoa e ao mesmo tempo me penetrasse.
Eu gozo.
Minha namorada goza comigo. O meu gozo é também o seu gozo.
No dia seguinte a sala branca está vazia, tiraram a cama branca.
Eu e minha namorada temos companhia: dois outros casais. Todos nus.
Somos jovens. Somos voluntários.
A equipe de engenheiros traz uma mesa e seis cadeiras.
Passamos a tarde jogando cartas.
Jogo insólito. Meus olhos veem minhas cartas e as cartas dos meus colegas de experiência. Eu vejo tudo pelos meus olhos e pelos olhos dos outros e os outros veem tudo pelos próprios olhos e pelos olhos dos colegas de experiência.
No dia seguinte não encontramos o engenheiro-chefe nem sua equipe.
O prédio está branco e vazio.
Foram embora e levaram com eles todo o equipamento branco.
Menos os seis implantes neurológicos: um em cada um de nós.
Não há água nem comida. As portas e as janelas foram lacradas.
Sede. Fome.
No dia seguinte um de nós urina num copinho de plástico e bebe a própria urina.
Sinto a boca cheia. Todos nós sentimos a boca cheia. Engolimos. Não é tão ruim quanto parece.
No dia seguinte minha namorada morde meu antebraço. Eu sinto a dor da mordida e a sensação de estar mordendo. Todos os seis sentimos a mesma coisa.
Minha namorada não consegue parar de morder e ser mordida.
Eu soco seu queixo e recebo na hora meu próprio soco.
Sinto meus dedos tentando abrir meu couro cabeludo. Não são meus dedos, não é realmente meu couro cabeludo. Um de nós, muito desesperado, está tentando tirar o próprio implante.
Um de nós chora e todos nós choramos.
Somos jovens. Somos voluntários.
Um de nós encontra uma faca numa gaveta qualquer.
Sinto a lâmina penetrar meu abdome. Todos os seis sentimos a mesma coisa. Somos o assassino e a vítima.
O vermelho tinge o branco, o branco tinge minhas retinas, nossas retinas, eu perco a consciência, todos nós perdemos a consciência.
No dia seguinte chegam novos voluntários, todos jovens.

Luiz Bras 
Nasceu em 1968, em Cobra Norato, MS. Sempre morou no terceiro planeta do sistema solar. É de leão e, no horóscopo chinês, cavalo. Na infância ouvia vozes misteriosas que lhe contavam histórias secretas. Adora filmes de animação, histórias em quadrinhos e gatos. Acredita em telepatia e universos paralelos.
Já publicou diversos livros, entre eles a coletânea de contos Paraíso líquido, a coletânea de crônicas Muitas peles, os romances juvenis Sonho, sombras e super-heróis e Babel Hotel e, em parceria com Tereza Yamashita, os infantis A menina vermelha, A última guerra e Dias incríveis.
Mantém uma página mensal no jornal Rascunho, de Curitiba, intitulada Ruído Branco. Também mantém o blogue Cobra Norato:
 luizbras.wordpress.com


André Ducci
Seus trabalhos podem ser visualizados no site http://abducci.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário